sábado, 20 de junho de 2015


Caros amigos e seguidores.

Gostaria de convidá-los a seguir nossa página no www.facebook.com.br/vkjmktjuridico. Lá vocês poderão encontrar dicas de como alavancar seu escritório ou sua carreira jurídica, sempre respeitando o Provimento 94 e o Código de Ética da OAB.
Convido-os também a se inscrever em nosso site kreuschjr.wix.com/mktjuridico, onde vocês encontrarão artigos relativos a Marketing Jurídico, além de cursos, palestras e consultorias que auxiliarão na alavancagem de sua carreira ou escritório.

Será uma grande satisfação vê-lo por lá.

Grande abraço.

Valdemiro Kreusch Júnior

segunda-feira, 15 de junho de 2015

Como captar clientes para um escritório jurídico.


Sou advogado e não vendedor!
Como captar clientes para um escritório jurídico.

Investimos diversos anos de nossas vidas numa faculdade de Direito, mais alguns em Pós Graduações, Mestrados e Doutorados e, quando vamos para o mercado nos deparamos com a realidade de que ainda precisamos vender nossos serviços e captar clientes para poder exercer a atividade jurídica. Neste momento nos damos conta de que, após mais de uma década de estudos, não aprendemos nada sobre vendas ou administração.
Este dilema motivou o presente artigo, cujo objetivo é apresentar algumas técnicas que auxiliarão todos aqueles que se identificaram com o parágrafo acima e buscam encontrar orientações para captar clientes na advocacia.
Vender é, sem dúvida, uma arte, mas vender serviços jurídicos, respeitando o Código de Ética da OAB vai além; Trata-se de uma alquimia, uma combinação de ações e comportamentos que produzem ouro para um escritório jurídico.
         Neste sentido, é fundamental que o advogado ou o gestor de escritório tenha comprometimento total com as estratégias de captação de clientes, pois o sucesso só será alcançado com metodologia e sistemática na realização das atividades planejadas.
         Um advogado, assim como um vendedor, além de ser um especialista em sua área deve também ser uma pessoa bem articulada, carismática e preparada para encantar seu potencial cliente em qualquer momento ou situação.
Tenho certeza que, você leitor, é uma pessoa com as características acima apontadas, portanto, vamos saltar para a próxima etapa, vamos à prática. Esteja sempre preparado para vender seus serviços: municiado com seus cartões de visita; um site de internet sempre atualizado; mantenha um canal no youtube contendo o seu posicionamento sobre determinados temas que sejam relevantes ao seu público alvo; mantenha a página do seu escritório no Facebook com publicações constantes; um perfil do escritório e pessoal no LinkedIn; enfim, apenas o básico.
Tudo bem, confesso que há algumas destas ferramentas que parecem não ser são tão básicas assim, mas um advogado de sucesso, com uma carteira de clientes invejável, sempre faz coisas diferenciadas e ousa em sua comunicação para ampliar sua rede de relacionamento e influência.
Vou, neste momento, lhe dar uma dica que vale milhões. Prepare-se: Captação de clientes acontece através de RELACIONAMENTOS e REDES DE INFLUÊNCIA. Pronto, entreguei o ouro de bandeja.
Precisamos lembrar que vivemos numa era digital, o tempo do cliente 3.0, o qual, antes de comprar ou contratar, busca na internet referências e opiniões e, quando vai às compras, sabe muito bem o que quer. Portanto, relacionamentos e redes de influência são a chave para conquistar essas pessoas e isso pode ser feito à moda antiga, no aperto de mãos e troca de cartões (o que leva um tempão), mas também se faz via redes sociais e eventos (usando o poder da viralização).
Pode parecer complicado, mas com um planejamento de marketing e um mapa estratégico essas iniciativas acabam sendo incorporadas no dia a dia do advogado de maneira natural.
A mensagem que quero deixar com este artigo é que devemos estar com a mente aberta e dispostos a realizar uma série de ações concatenadas “on line” e “off line” que, ao longo do tempo, nos colocarão em posição de destaque na vitrina jurídica, de tal maneira que possamos influenciar a escolha do cliente, antes mesmo de um contato pessoal, permitindo que sejamos escolhidos dentre as milhares de excelentes opções que estão no mercado. Afinal, ser um pouco vendedor não faz mal a ninguém.


Autor: Valdemiro Kreusch Júnior, Publicitário, MBA em Marketing, empresário e consultor em Marketing Jurídico.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

A HISTÓRIA DAS COISAS



Esse vídeo apresenta uma análise muito interessante sobre o modelo de consumo imposto pelo sistema capitalista ao qual estamos submetidos.
Afinal, o que estamos fazendo conosco e com nosso mundo?
Paremos e pensemos.

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

ITAIPU BINACIONAL, MINIATURA DA BIOCIVILIZAÇÃO

Há hoje na cultura mundial muita desesperança e perplexidade generalizada. Não sabemos para onde estamos rumando. O vôo é cego num rumo ao desconhecido.
O que mais dói é a falta de alternativa ao modelo vigente que visa grande acumulação em vista do acelerado consumo, à custa da depredação da natureza e da geração de gritantes injustiças sociais a nivel mundial.
Com as "externalidades" surgidas (aquecimento global, escassêz de recursos, desequilíbrio global do sistema-Terra) a sensação predominante é que assim como está o mundo não pode continuar. Temos que mudar. Por isso, por todas as partes, surgem novas visões e especialmente práticas que nos devolvem certa esperança de que outro mundo é possível e necessário.
A nova centralidade gira ao redor do cuidado da vida, da salvaguarda da Humanidade e da proteção do planeta Terra. O que vai nascer será uma biocivilização ou uma Terra da Boa Esperança (Ignacy Sachs).
Eis que em nosso pais encontramos uma miniatura do desejo coletivo, uma pequena antecipação daquilo que deverá ser dominante na Humanidade: o projeto "Cultivando Agua Boa" da Itaipu Binacional em Foz do Iguaçu, no Estado do Paraná.
Aí, num acordo entre Brasil e Paraguai, se construiu a maior hidrelétrica do mundo com um reservatório de água de 176 quilômetros de comprimento, onde estão estocados 19 bilhões de metros cúbicos de água, utilizados por 20 turbinas que geram 14 mil megawatts.
Qual foi o "insight" de seus diretores Jorge Samek e Nelton Friedrich já nos inícios de sua administração em 2003? Que a água não se destina apenas para produzir energia elétrica, mas também para gerar todo tipo de energia necessária aos seres que dependem vitalmente da água, especialmente os humanos.
Foi então que se modelou o projeto "Cultivando Agua Boa" que envolve os 29 municípios lindeiros nos quais vivem cerca de um milhão de pessoas, com a criação de aves e suinos, das maiores do pais.
Trata-se de um projeto altamente complexo que envolve praticamente todas as dimensões da realidade, resultando numa verdadeira revolução cultural, pois este é o propósito dos milhares que implementam o projeto.
É exatamente isso que precisamos: de um novo ensaio civilizatório, testado numa miniatura, que seja viável dentro das condições mudadas da Terra em processo de aquecimento e de exaustão de seus recursos. O mote diz tudo:"um novo modo de ser para a sustentabilidade".
Sempre afirmei que a sustentabilidade foi sequestrada pelo projeto do capital, esvaziando-a para impedir que significasse um paradigma alternativo a ele, já que é intrinsecamente insustentável. Libertada deste cativeiro, ela adquire valor central de um novo arranjo civilizatório que estabelece uma equação equilibrada entre ser humano-natureza-desenvolvimento-solidariedade generacional.
Em Itaipu se conseguiu instaurar esta equação feliz. Começaram corretamente com a sensibilização das comunidades. Quer dizer, iniciaram com o alargamento das consciências, convocando nomes notáveis do pensamento ecológico, como F. Capra, Enrique Leff (Pnuma latinoamericano), Marcos Sorrentino, Carlos e Paulo Nobre entre outros. Eu mesmo acompanho o projeto desde o seu início.
Definiram o espaço não pelos limites arbitrários dos municípios mas pelos naturais das hidrobacias. Envolveram todas as comunidades, criando comités gestores de cada bacia, legalizados pelas prefeituras. Sabiamente se deram conta de que a educação ambiental representa o motor da mudança de ser, de sentir, de produzir e de consumir. Não é isso a inauguração de uma revolução cultural?
Formaram algumas centenas de formadores ambientais, atingindo milhares de pessoas. Uma nova geração está surgindo que busca um modo sustentável de viver.
No próximo artigo quero detalhar o vasto campo de atividades que vão desde o aproveitamento dos dejetos sólidos gerando energia, até a inovação tecnológica com o carro elétrico, a pesquisa sobre o hidrogênio, a criação do Centro de Saberes e Cuidados Ambientais e a da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA).
Quem acompanha aquele projeto sai com esta certeza: a Humanidade é resgatável, ela tem jeito, é possível, como dizia Fernando Pessoa, criar um mundo que ainda não foi ensaiado.

Texto de Leonardo Boff
Fonte: Blog do Noblat

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

BRASIL DE BOTEQUIM II

Estamos a menos de 10 dias das eleições que vão determinar quem será nosso governante para os próximos 4 anos. A disputa eleitoral está acirrada e o povo tomando as ruas para apoiar seus candidatos. Um exemplo de democracia e exercício de cidadania. Será? Tenho minhas dúvidas.
Desde o início dessa campanha eleitoral eu não escutei nenhuma proposta consistente de nenhum candidato, de nenhum deles. Nos debates, o discurso era farei isso, aquilo, mas ninguém demonstrou um plano para o Brasil, muito menos as fontes de recurso para financiar as promessas.
Agora, no segundo turno, a coisa degringolou, é uma guerra pra ver quem é o mais carola, ou melhor, mais cristão. O último e fenomenal debate entre os candidatos, presidente e população é o raio da bolinha de papel ou da bexiga d’água.
A imprensa tem jogado uma nuvem de fumaça nos olhos dos brasileiros, e o pior, a maioria foi cegado por ela. Isso acontece porque não há propostas a serem debatidas, não há qualificação entre os candidatos. Por falta de conteúdo vamos construindo um Brasil de botequim.
Aqui não defendo nenhum dos lados da disputa, até porque acho que nenhum dos dois serve para o Brasil. O que me deixa profundamente aborrecido é ver pessoas intelectuais, acadêmicos que conheço entrarem nessa onda de discussão sobre aborto, bexiga ou papel, tentando defender um ou outro candidato.
Caros leitores e amigos, peço-lhes discernimento para que esse debate não tome conta de nosso dia a dia político, cabe a nós, cidadãos, elevar o nível, exigir debate de conteúdo, um programa de governo, um norte para o futuro nosso e do nosso país. Precisamos impedir a criação do Brasil de Botequim.

Valdemiro Kreusch Júnior